Desenvolvimento pessoal e profissional

1
Como manter relacionamentos saudáveis
2
Liberte-se do sentimento de culpa
3
Autocobrança e liderança exigente
4
Ressignificação de traumas
5
Por que eu faço o que faço! E você?
6
Dúvida? Indecisão? Saiba como fazer uma escolha assertiva
7
Definhamento: que mal-estar é esse?
8
Comunicação eficaz: duas técnicas
9
Como estimular a curiosidade
10
Você se sente perdido?

Como manter relacionamentos saudáveis

O que é um relacionamento saudável para você ? É bom pensar sobre isso, pois muitos vivem em relacionamentos afetivos abusivos ou disfuncionais e acreditam ser daquele jeito mesmo, que não há possibilidade de mudança.

O relacionamento saudável é aquele que oferece bem-estar, satisfação e prazer para ambas as partes, onde existe respeito, atenção, cuidado, diálogo, carinho, cumplicidade, admiração e outras coisas mais.

Relacionamentos em que as pessoas não impõem os seus limites e não existe respeito tendem a se tornarem tóxicos ou disfuncionais. E podem até ocasionar problemas financeiros, sexuais e sintomas como estresse, raiva, ansiedade, angústia, depressão ou doenças graves. Por isso, estabelecer limites é essencial para ter relações saudáveis com as pessoas ao seu redor, tanto relacionamentos afetivos como familiares, profissionais e de amizades.

Quando você se sente incomodado ou invadido em relação a alguma coisa, comece a refletir sobre os seus limites e sobre o por que tem aceitado algumas situações e pessoas na sua vida que te fazem mal. Essas reflexões são formas de se autoconhecer e vão te ajudar a sair da insatisfação e da dor para uma vida de relações saudáveis e conquistas pessoais, profissionais e financeiras.

Tenha em mente que você deve ser sua prioridade. Então, pense e respeite a si mesmo em primeiro lugar, mesmo que isso desagrade os outros.

Seguem algumas dicas que vão ajudar você a impor limites em suas relações: Leia Mais

Liberte-se do sentimento de culpa

O sentimento de culpa é aquele que surge quando nos sentimos responsáveis por algo ruim que tenha acontecido ou algum erro que tenha gerado arrependimentos. Ele pode destruir aos poucos quem o sente, pois a pessoa tem a tendência a se punir, a ser dura demais consigo mesmo, a ficar remoendo acontecimentos do passado.

A culpa tem diversas causas. É importante analisar se a culpa sentida é desencadeada a partir de atitudes que foram de sua responsabilidade ou de situações que aconteceriam de qualquer maneira e não estavam ao seu alcance.

Muitas vezes, originada na infância, a criança pode ter se sentido culpada por algo que ela acredita que era responsável e não fez nada para impedir ou então ter sido considerada culpada por pais muito rígidos por pequenos erros que tenha cometido.  E, ao longo da vida, esse sentimento pode ser reforçado por situações similares experimentadas. Leia Mais

Autocobrança e liderança exigente

Ser muito exigente consigo mesmo, em muitos casos, não é uma atitude positiva para a sua saúde emocional e mental. Ao invés de você estar se auto aperfeiçoando, na verdade, a autocobrança excessiva é uma forma de se depreciar, que pode trazer consequências negativas para todas as áreas da sua vida, desde relacionamentos, carreira e até saúde física.

Se você é uma pessoa com autocrítica em excesso, está propensa a se sentir mais ansiosa e deprimida. Afinal, nunca está satisfeita com suas conquistas e tem um padrão muito alto, acredita que “não é boa o suficiente” ou que “nada está tão bom quanto poderia ficar”.

Além disso, está sempre diminuindo a sua autoestima e se comparado. Porém, quando você se compara com outras pessoas, as coisas pioram ainda mais, pois a “régua” se eleva e ficam cada vez mais inalcançáveis os objetivos. Então, isso gera um baita sentimento de frustração, não é mesmo? 😞

Se você se identificou com esse texto, chegou o momento de virar o jogo e começar a se valorizar e se amar ou buscar auxílio profissional. Todos nós somos imperfeitos e merecemos ser feliz. 🤗

👉 Para te ajudar nessa caminhada, separamos algumas dicas para você:

  • Trabalhe a auto aceitação para abraçar quem você realmente é;
  • Reconheça e respeite os seus limites;
  • Faça um planejamento e divida os objetivos em pequenas metas, reconheça e comemore a conquista de cada uma dessas metas;
  • Invista em terapia e conte com a ajuda de um profissional para aumentar a sua autoconfiança e enfrentar os desafios com mais leveza;
  • Trate a si mesmo como um amigo. Somos todos imperfeitos, por isso seja gentil e ame-se, em primeiro lugar.
Muitas vezes somos mais exigentes e críticos com nós mesmos do que com os outros. Por isso é importante reconhecer os sentimentos, pensar de forma diferente em relação a si, comemorar as pequenas conquistas, se valorizar e ser gentil consigo mesmo, ter autocompaixão.  A autocompaixão é aceitar-se, amar-se, respeitar-se, aliviar o sofrimento e a dor tratando-se como um amigo e não como um inimigo. No lugar da auto crítica, da auto exigência e depreciação , que tal exercitar o amor próprio e o acolhimento?
Uma pergunta para você refletir do impacto disso no âmbito organizacional. Se você é  um líder exigente com a sua equipe : será que é positivo ou negativo?

Leia Mais

Ressignificação de traumas

O que você precisa ressignificar na sua vida?

Ressignificar é dar um novo significado a um determinado acontecimento, é atribuir um outro sentido a uma experiência, enxergar as coisas sob outra perspectiva e levar a vida de maneira diferente.

Ao ressignificar, torna-se possível transformar, de forma positiva,  as emoções e comportamentos envolvidos numa determinada experiência negativa ou traumática. E dessa forma levar a vida de forma mais leve.

Ressignificar é uma palavra forte, pois envolve uma mudança significativa de vida quando aplicada, sobretudo, na resolução de traumas, crenças arraigadas e sentimentos negativos. Muitas vezes questões que se repetem durante muitos anos precisam ser ressignificados para você seguir em frente.  Até porque desafios e dificuldades na vida todo mundo tem.

Trauma

O trauma acontece quando vivenciamos uma situação e não temos recursos para lidar com ela naquele momento. Assim, criamos uma interpretação daquela experiência que desencadeia uma forte emoção e um determinado comportamento. Quando acontecem repetidas vezes situações similares, sentimos a mesma emoção e isso nos remete àquela situação e a reforça.

Qualquer acontecimento pode gerar um trauma ou uma fobia, mesmo que não pareça algo tão relevante quando visto de fora, pelos outros ou por você sob outra perspectiva. Porém, esse sentimento e sensação experimentada ficam arraigados e, muitas vezes, te impedindo de alcançar o que deseja.

Passar por um trauma pode prejudicar, muitas vezes, a sua qualidade de vida e o seu bem-estar. Além dos traumas mais graves como abusos físicos e psicológicos, existem outras experiências negativas que parecem inofensivas, mas que acompanham e limitam a pessoa ao longo da vida.

Leia Mais

Por que eu faço o que faço! E você?

Outro dia, num bate-papo com uma amiga ela me fez essa pergunta e eu respondi.

Faço porque é o meu propósito, meu Ikigai! Usar as minhas forças, talentos e conhecimentos para inspirar ou auxiliar as pessoas interessadas a alcançarem os seus objetivos e sonhos e ver a felicidade dessas pessoas  é extremamente motivador. Além disso, ser remunerada pelo meu trabalho e dedicação me possibilita realizar meus objetivos, viver mais leve e feliz. Isso  então é fantástico!

Ela não ficou muito satisfeita com a resposta….. E percebo que grande parte das pessoas têm dificuldade em encontrar o seu propósito e vivem insatisfeitas ou desmotivadas no trabalho; esperando a hora de “bater o ponto”, o fim de semana, as férias ou algo de extraordinário acontecer, ou seja, não sente prazer no seu dia-a-dia. Sendo que, na verdade, a felicidade está na jornada em si e em viver segundo o seu propósito.

Quero bater um papo com você agora: quero que você reflita sobre o seu propósito, por mais clichê que pareça. Comece pensando no legado que deseja deixar, ou seja, depois que você partir dessa vida –  e você vai partir!, o que gostaria que as pessoas falassem de você? Pense e escreva.

Mas afinal, o que é e por que é tão importante encontrar o seu propósito ? Leia Mais

Dúvida? Indecisão? Saiba como fazer uma escolha assertiva

As dúvidas, indecisões e  incertezas podem se tornar um inimigo silencioso que, quando menos espera, te impede de alcançar os objetivos tão desejados. Mesmo as pessoas mais seguras de si podem ter momentos de muita dúvida e travá-las em muitos aspectos da vida.

Pessoas indecisas têm dificuldades de escolher, ainda mais no mundo atual com o excesso de ofertas e informações, onde o medo de errar na escolha ou de ficar de fora impacta bastante na tomada de decisão.

Cada perfil de pessoa tem uma forma de fazer escolhas – seja amorosa, profissional ou comercial. Muitos vivem nesse constante conflito e cercado de dúvidas. Muitas vezes, o fato de escolher significa deixar de lado as outras opções.

Mesmo que o nosso destino seja imprevisível é preciso garantir que a dúvida não nos impeça de agir para mudarmos as situações que temos controle. Não paralise pensando sobre o que os outros estão fazendo ou como eles irão realizar as coisas, pois cada um é cada um. Conheça e confie em si mesmo e garanta que você esteja fazendo o possível naquele momento, mesmo que as escolhas não sejam as melhores. Assuma a responsabilidade e aprenda com elas. Leia Mais

Definhamento: que mal-estar é esse?

A pandemia trouxe uma série de mudanças na dinâmica social e de convivência. Com o isolamento social e muitos trabalhando em home office, ficou evidente a ausência de bem-estar e falta de sociabilidade. Diante disso, muitas pessoas têm reportado que a sensação tem sido um pouco diferente de ansiedade ou cansaço, mas de definhamento.

O que vem a ser esse sentimento?

Podemos explicar que, ao pé da letra, definhar significa perder as forças, enfraquecer, abater-se, extenuar-se, debilitar-se.

A pandemia ocasionou diversas perdas, de todos os tipos: normalidade, hábitos, encontros sociais, momentos de lazer e, ao mesmo tempo, desesperança, incerteza, cansaço com o excesso de atividades desgastantes, o luto pelo falecimento de tantas pessoas, a falta de perspectiva de melhoria, o comportamento inadequado de algumas pessoas, como os destemidos sem máscara e negacionistas.  Juntamente com ausência de oportunidades de momentos de lazer, eventos sociais, do contato com a natureza, dos relacionamentos afetivos e no ambiente de trabalho e do toque e abraço fraternal, isso tudo, durante um período muito longo, causa a sensação de enfraquecimento e desse tal definhamento. Leia Mais

Comunicação eficaz: duas técnicas

Nesse post do blog, trouxemos como assunto principal a comunicação, de suma importância para os relacionamentos, tanto profissionais, afetivos, familiares e nas comunidades.

Comunicar é transmitir uma mensagem de um emissor para um ou mais receptores. Porém, para se comunicar assertivamente é preciso que o emissor entenda o que o receptor compreendeu da mensagem enviada, de maneira que não ocorram ruídos ou más interpretações. Por isso, é importante que a pessoa que está comunicando algo saiba se a mensagem foi compreendida de forma clara.

O ato de se comunicar é essencial para uma vida em sociedade e é uma forma de integração, orientação, aprendizado e compartilhamento dentro dos ambientes sociais e empresariais.

Separamos duas metodologias de comunicação que têm sido muito faladas e utilizadas: a comunicação não-violenta e o feedback sanduíche. 

Continue lendo e saiba como utilizar essas técnicas.

O psicólogo norte-americano Marshall Rosenberg que atuava como orientador educacional em instituições de ensino que buscavam eliminar a segregação racial nos Estados Unidos é o responsável pelo conhecido método de Comunicação Não-Violenta que faz sucesso no mundo todo.

Para Rosenberg, é na forma como as pessoas se comunicam entre si que se encontra a solução para resolver desentendimentos e discussões. Por isso, um dos seus objetivos com as pesquisas era criar estratégias para que as respostas aos estímulos comunicacionais (reações) deixem de ser automáticas e repetitivas e passem a ser mais conscientes.

Por meio da escuta ativa e profunda, o método faz com que as interações ocorram com mais respeito, atenção e empatia, como defende o psicólogo. Ele acredita ainda que quando os indivíduos se entregam de coração e se permitem falar mais sobre seus sentimentos, a compaixão se desenvolve nas conversas.

Para que a Comunicação Não-Violenta (chamada também de comunicação empática) ocorra, é preciso que os praticantes se concentrem em quatro componentes, que devem ser expressados de forma clara. São os seguintes: Leia Mais

Como estimular a curiosidade

De acordo com o texto do post anterior, todas as emoções positivas têm grande importância para o nosso bem-estar.

No entanto, queremos destacar o interesse ou curiosidade, que é uma emoção positiva de grande relevância no processo de crescimento pessoal, esforço criativo e no desenvolvimento da inteligência. Ela nos torna capazes de enfrentar os desafios cada vez mais complexos, nos impulsiona a encontrar soluções e buscar sempre por novidades.

Por isso, em um contexto cada vez mais automatizado e com forte presença da inteligência artificial, essa é uma habilidade valorizada e que tem sido desaprendida. Confira abaixo algumas formas de estimular a curiosidade, uma habilidade essencial ao nosso desenvolvimento:

  • Deixe de lado o medo de errar e a auto cobrança excessiva: ser curioso exige se arriscar e admitir que não sabe;
  • Faça escolhas diferentes: escolha filmes, séries, livros que estão fora da sua lista e de um estilo diferente do que você já está acostumado;
  • Faça coisas sem planejar, improvise: deixe-se guiar pela intuição e esqueça um pouco a ansiedade e a pressão de fazer uma determinada tarefa exatamente como planejado;
  • Encare a vergonha de fazer perguntas: pergunte- mesmo que considere bobagem, anote questões, busque ajuda de outras pessoas, entenda o ponto de vista do outro e não deixe que o medo ou a vergonha te impeçam de se aprofundar em algum assunto;
  • Observe as crianças: observá-las pode ser um grande aprendizado, pois com os seus porquês insistentes elas sempre estão em busca da solução ou de uma resposta;
  • Deixe de lado os preconceitos: a forma como pensamos não é livre de julgamentos, mas precisamos abandonar os vieses que condicionam o nosso olhar e deixar longe os rótulos;
  • Preste atenção: as possibilidades e o novo estão disponíveis para aqueles que observam e prestam atenção ao seu entorno;
  • Exercite a curiosidade: busque formas de exercitar essa habilidade no dia a dia, por exemplo, coloque quatro objetos bem conhecidos à sua frente e imagine pelo menos três tipos de uso para cada um deles.

E você, qual dessas mais se identifica ou já pratica? Comente aqui.

Você se sente perdido?

Você está cansado ou cansada de se sentir perdido(a)?

Saiba que se sentir perdido pessoal, profissional ou espiritualmente é super comum. Além disso, passar por crises existenciais, se sentir sem saber para onde ir e sem direção pode ser um bom sinal! Isso porque é nesse momento que você está aberto a buscar respostas e a voltar-se para dentro de si. É preciso de coragem e disposição para mover-se para o seu interior, enxergar a luz e a sombra. Essa etapa é necessário para a expansão da consciência , clareza mental , desenvolvimento pessoal e realização.

É incrível como diversas pessoas não se conhecem verdadeiramente, sentem-se perdidos e sem saber o que realmente desejam da vida. O autoconhecimento é o primeiro passo para compreender-se profundamente e é essencial para que alcance seus objetivos pessoais, profissionais e para se sentir melhor.

Leia Mais

Copyright © 2014-2017. Desenvolvido por Atlas Design.