Arquivo - abril 2022

1
Pare, Atenção ou Prossiga
2
Salvador, Perseguidor ou Vítima

Pare, Atenção ou Prossiga

Como você está no atual momento de vida? Precisando dar uma parada e aquietar-se? Ou precisa refletir e repensar sobre as suas escolhas e sobre o caminho que tem seguido? Será que já está pronto e só precisa de um empurrão para acelerar e prosseguir?

Somos acostumamos a seguir um padrão de comportamento, mas com o passar do tempo, percebemos que ele pode não estar mais alinhado com os nossos valores, objetivos, valores e propósito.

E como reorganizar as coisas dão um certo trabalho, “empurramos com a barriga”, como se diz, até chegar ao nosso limite. Afinal, além de desencadear mudanças as quais podemos não estar preparados, muitos de nós procrastina e acaba estacionando, deixando de lado a realização dos seus objetivos de vida.

Mesmo que cada um tenha os seus desafios, precisamos refletir, entender e enfrentar nossos medos e tomar as atitudes necessárias. Só assim será possível seguir em direção ao seu destino tão sonhado – mesmo que, nesse momento, a atitude seja parar um pouco ou repensar sobre as escolhas, prosseguir no caminho, acelerar, mudar a direção.

Por isso, te proponho essa reflexão segundo a analogia dos semáforos de trânsito. Talvez esse seja o sinal que você precisava! Siga abaixo e identifique o seu momento atual: Leia Mais

Salvador, Perseguidor ou Vítima

Você já percebeu que, no decorrer da vida, nós assumimos papeis nas relações interpessoais que estabelecemos?

E, muitas das vezes, esses papeis criam relações disfuncionais que nos mantêm psicologicamente dependentes uns dos outros, alimentando esse ciclo. Isso é explicado pelo Triângulo de Karpman, o mais famoso modelo social concebido por Stephen Karpman, da análise transacional. Neste modelo, são exercidos três papéis: vítima, perseguidor e salvador.

Os conflitos internos e interpessoais surgem e se mantêm quando as pessoas se encontram em um dos três papeis representados pelas pontas do triângulo, cada uma numa posição alimentando esse ciclo.

A vítima sente temor e passividade frente às situações, não assume responsabilidade pelas suas ações e se sente o coitado. Já o perseguidor é naturalmente dominador e quer impor o seu poder sobre o outro. Julga e critica as pessoas e encontra “terreno fértil” na presença da vítima. O terceiro papel, o salvador, é o herói e está sempre defendendo e salvando os mais necessitados – a vítima das garras do perseguidor. É aquele que tem a força e se envolve de “corpo e alma” para salvar o outro e não se envolver com as próprias questões.

Apesar de exercerem posições diferentes, nenhuma dessas posições é benéfica e gera relações disfuncionais e de co-dependência. Isso por que as pessoas inseridas nesse contexto estão em constante confronto com as outras ou consigo mesmas e, enquanto não saírem desses papeis, vão manter essa dependência emocional.

Portanto, se você se identificou com um papel em alguma das suas relações, procure sair desse triângulo psicológico! Mas, como faço isso? Leia Mais

Copyright © 2014-2017. Desenvolvido por Atlas Design.