Reconexão com o próprio ser

Em nossa busca alucinada por amor, carinho, reconhecimento e pertencimento, vamos muitas vezes reprimindo nossos verdadeiros desejos, matando a nossa ousadia e nos perdendo aos poucos, para enquadrar dentro de um modelo que a sociedade criou.

Em alguns momentos, é preciso parar para reconectar-se consigo mesmo, senão somos empurrados pelas nossas funções e tarefas do dia-a-dia e, de repente, deixamos de prestar atenção e de ter consciência do que nos faz bem,  deixando de crescer, de evoluir, de ser, verdadeiramente. Ligamos o modo automático e pronto.

 

Há algum tempo atrás, eu senti essa necessidade. Estava tudo ótimo, eu estava super feliz, porém iniciando uma fase de falta de tempo para o essencial. E então eu pensei: “eu preciso parar agora para me reconectar, tirar o foco do externo e voltar para o interno”. Então fui em busca disso numa viagem para Índia, que eu chamei de jornada, cujo objetivo foi desenvolver mais o lado espiritual, quebrar padrões, sair da zona de conforto, desse piloto automático, olhar para dentro, para crescer !

Então, eu parei tudo e me permiti. Passei 15 dias lá, o que me trouxe novos conhecimentos, me proporcionou adentrar numa cultura totalmente diversa, com milhares de anos de história, espiritualizada, e aprender filosofias, técnicas, meditações e rituais de gratidão, de paz interior, de celebração, o que possibilitou essa reconexão com a minha essência. E aí, eu voltei energizada, animada, reconectada com o meu próprio ser  e pronta para usar esse conhecimento, essa experiência e essas técnicas vivenciadas nos programas de qualidade de vida da Meus Miolos.

Essa viagem foi a maneira que eu encontrei de desafiar, de evoluir, de quebrar padrões, de desenvolver um lado mais espiritualizado e, ao mesmo tempo, fazer algo que eu gosto bastante: viajar! Eu posso dizer que foi uma experiência fantástica e enriquecedora!

E muitas vezes, nós precisamos nos desconectar do exterior, dessa realidade externa, para envolvermos com o nosso interior, nos possibilitando evoluir,  sentir e ser. Quando nos concentramos no mundo exterior, com freqüência nos assaltam os julgamentos, que nos mantêm presos às nossas ilusões, aos nossos velhos hábitos e padrões. No momento em que você se move para dentro de si, você abandona essa mente crítica e relaxa na mente mais profunda.

A correria do dia-a-dia nos afasta o tempo todo do essencial, e essa viagem, por exemplo, foi o meu momento de reconexão.

Para experimentar isso não precisa ser uma viagem para a Índia, pois nem todos tem essa oportunidade no momento em que precisam, mas existem diversas maneiras de conectar-se consigo mesmo. Por exemplo, a prática de mindfulness, ou seja,   a consciência plena, a atenção com foco no momento presente, para a observação sem julgamento, a percepção das sensações, dos pensamentos, das emoções e a aceitação .

O mundo moderno mudou tanto que se tornou necessário novos métodos, novas técnicas. As meditações ativas de Osho é um método caótico,  necessário para empurrar o centro da consciência da mente para o coração. Você pode experimentar a consciência plena do momento, por ações simples como dançar, caminhar, fazer movimentos, de olhos fechados e se perceber naquele instante.  Quando você fecha os olhos, há uma quantidade de pensamentos, sonhos, emoções, imaginações cintilando…

Esses métodos proporcionam paz e tranquilidade, da mente e do espírito. Através de muitos movimentos, técnicas de respiração, sons, e envolvimento é possível dissipar o caos e conflitos interiores e conquistar a paz, o equilíbrio, o bem-estar e a harmonia.

No programa Revista BHNews, do qual eu, Isabela Capelão, sou colunista,  o assunto foi #Reconexão.  A Rachel Antonini comanda um bate papo super interessante no quadro  “K entre nós” com a minha participação e da terapeuta holística Lee Miranda.

O vídeo do programa já está disponível:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Copyright © 2014-2017. Desenvolvido por Atlas Design.