9 Mitos sobre a Hipnose

 

hipnoterapia

Percebo que várias pessoas me procuram para entender melhor sobre a hipnose e com algumas perguntas a respeito. Imagino que existam várias dúvidas e curiosidades a serem esclarecidas e então resolvi escrever nesse post nove mitos sobre a hipnose e as verdades relacionadas. Isso poderá ajudá-lo(a) a entender melhor como funciona a hipnose ou hipnoterapia.

1)  A pessoa fica inconsciente e sob o domínio do hipnoterapeuta ou hipnotizador, faz tudo o que ele mandar. (Mito)

Verdade: A pessoa fica num estado de foco e concentração e não presta atenção no que ocorre ao redor, o que permite acessar recursos do seu inconsciente. A hipnose é um estado alterado de consciência, que ocorre naturalmente. É o estado intermediário entre a vigília e o sono. Essa frequência de ondas cerebrais é chamada de transe hipnótico.

2) A pessoa perde totalmente o controle. (Mito)

Verdade: Pelo contrário, na hipnose, a pessoa entra e sai do transe conforme sua própria vontade, velocidade e profundidade. O hipnoterapeuta ou hipnotizador apenas orienta e faz sugestões de acordo com o que lhe foi apresentado. A pessoa não faz nada que ela não queira, nada que a pessoa não faria conscientemente. As ações vão de encontro às suas crença, valores, desejos e objetivos.

3) Hipnose é a mesma coisa que regressão. (Mito)

Verdade: A regressão de idade é uma ferramenta, uma técnica utilizada para acessar algumas informações passadas em algumas situações necessárias,como traumas, mas não faz parte obrigatoriamente de todas as sessões de hipnose. E pode ocorrer de forma natural, quando o próprio cliente acessa esse passado em determinado exercício durante a terapia. É focada para a solução dos problemas e dificuldades e nas sessões não ficam remoendo coisas e situações do passado, por isso os resultados são mais rápidos.

4) A pessoa revela os seus segredos e conta tudo para o hipnoterapeuta/ hipnotizador. (Mito)

Verdade: A pessoa não revela e nem faz nada que vai contra aos seus valores, participa somente das atividades que tem relação com o que está sendo tratado no momento. Inclusive, a mente inconsciente muitas vezes protege a pessoa e ela pode acordar do transe quando entra num assunto ou situação dolorosa e traumática, a qual ela não deseja abordar.

5) A pessoa demora a voltar às suas funções e atividades normais. (Mito)

Verdade: A hipnose ajuda a pessoa a acessar os recursos interiores e os aprendizados inconscientes esquecidos e após um transe muito profundo ela pode apresentar alguma tontura devido à oxigenação do cérebro e ao relaxamento profundo, mas nada a impede de seguir o dia ou a noite com as suas atividades normais.

6) Pode se manter eternamente no transe e não querer voltar. (Mito)

Verdade: É impossível a pessoa não despertar em algum momento, por mais profundo o estado de transe, ela será orientada a voltar para o local e situação atual. Por melhor que esteja o transe, ela volta trazendo esses aprendizados e novas maneiras de encarar as situações.

7) A pessoa é mais fraca por entrar em transe facilmente ou vice-versa (mais forte por não entrar em transe tão facilmente). (Mito)

Verdade: Existem pessoas mais sugestionáveis e que entram mais facilmente em transe. Da mesma maneira existem pessoas que não querem se sujeitar ao transe e à hipnose com auxílio de um hipnoterapeuta ou hipnotizador, são mais resistentes. Porém, se a pessoa está disposta a melhorar algo em sua vida e resolver alguma dificuldade e sente confiança no processo, ela se envolve. Além disso, praticamos hipnose em vários momentos de nosso dia-a-dia: quando estamos concentrados e focados em algo sem prestar atenção no que ocorre à nossa volta: isso é um estado hipnótico. Para cada cliente é utilizado um tipo de abordagem e uma profundidade de transe. E isso nada tem a ver se a pessoa é mais fraca, mais forte, melhor ou pior.

8) Somente médicos e psicólogos estão aptos a realizarem a hipnose como forma de terapia. (Mito)

Verdade: Qualquer profissional habilitado como terapeuta (mesmo que não seja da área da saúde) e que tenha realizado cursos de especialização em hipnose clínica, clássica ou ericksoniana  em instituições credenciadas e certificadas estão aptas a utilizar a hipnose como terapia e tratamento auxiliar. É importante salientar que a hipnoterapia não substitui o tratamento e nem os diagnósticos e orientações médicas. Os conselhos de medicina, odontologia e psicologia legalizaram no Brasil a hipnose em sua prática clínica como terapias no auxílio de tratamentos, assim como há 60 anos já era reconhecida nos países do primeiro mundo.

9) A hipnose terapêutica é a mesma coisa que a hipnose de palco, de show. (Mito)

Verdade: O hipnotizador de palco tenta mostrar que o poder é dele e na terapia o poder é da pessoa que está sendo hipnotizada. Na hipnose de palco, muitas vezes o hipnotizador escolhe na plateia pessoas mais sugestionáveis através de alguns testes no início da apresentação e aquelas que entram facilmente em transe profundo. Então é realizada uma indução rápida, pois tudo é muito rápido para chamar a atenção do público.  Aqueles que assistem a um show de hipnose acreditam que a pessoa está ali totalmente a mercê do hipnotizador e fazendo tudo o que ele “manda”, sob o comando de um pêndulo. O pêndulo pode ser utilizado por alguns profissionais para alguns tipos de indução hipnótica, mas acabou se tornando um símbolo dos shows de hipnose.

O intuito da hipnose terapêutica é beneficiar o cliente e auxiliá-lo nesse caminho de acesso ao seu Eu mais profundo, onde reside o potencial de mudança. Ocorre uma cooperação entre cliente/paciente e terapeuta. Existe inclusive a hipnose conversacional, onde o cliente está totalmente focado, mesmo sem precisar ser induzido a um transe.

Quando o objetivo é terapêutico a abordagem é totalmente diferente da hipnose de palco e tem como foco o cliente e a resolução das suas dificuldades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Copyright © 2014-2017. Desenvolvido por Atlas Design.