Dia Nacional de Combate à Cefaleia

blog cefaleia

Você sabia que mais de 90% da pessoas já experimentou ou vai experimentar dores de cabeça alguma vez na vida? E que quase 80% têm dor de cabeça com frequência?

A dor de cabeça ou cefaleia, seu nome científico, é a queixa de maior frequência nos pronto socorros do Brasil. Devido à sua importância e seriedade foi criado o dia nacional de combate à cefaleia, doença que atinge grande número da população brasileira.

Como o próprio nome já diz, a dor de cabeça é uma dor crônica em qualquer região da cabeça. De um modo simples, se dividem em dois tipos: as primárias e as secundárias. As primárias representam a grande maioria dos casos.
As dores de cabeça podem suceder em um ou em ambos os lados da cabeça, pode estar isolada em determinado local, propagar-se pela cabeça de um ponto a outro, ou serem dores latejantes. Podem aparecer gradativamente ou de repente, e durar menos de uma hora ou até durante vários dias ou meses. O exemplo mais comum é a famosa enxaqueca, que também são as mais incapacitantes. Enfim, existem inúmeros tipos de dor de cabeça.

Existem vários estímulos para essa dor aparecer. Alguns deles são o stress, a ansiedade, a preocupação, o calor ou barulho excessivo. Há os que dizem que crises frequentes de dores de cabeça e enxaquecas é um reflexo da vida moderna, dos comportamentos exagerados, como o tempo gasto na internet.

Depois de um dia conturbado, corrido e estressante, é bem provável que a maioria de nós retorne para casa com a cabeça pesada e latejando, resultado de muita tensão em determinados músculos.

Cerca de 30% da população brasileira apresenta dor crônica, ou seja, aquela dor persistente. Como é ruim e desagradável quando temos uma dor de cabeça que não passa, não é mesmo?

É de extrema importância que você identifique o que está desencadeando essas dores, pois além de serem diferentes para cada tipo de pessoa, os fatores que auxiliam a amenizar também o são. Às vezes apenas uma mudança de hábitos e comportamentos já alteram a frequência dessas cefaleias.

Um estudo de especialistas mostrou que dentro do grupo de portadores de cefaleia crônica, 40% têm transtorno de ansiedade e 30% têm depressão.

Rodrigo Rizzo, especialista no tratamento de dores crônicas, constatou que a comunicação pode aliviar a experiência de dor das pessoas e que o conhecimento de como funciona e se processa a dor crônica já auxilia muito no seu tratamento. Além disso, os fatores comportamentais, emocionais e psicossociais na experiência da dor podem aumentar ou reduzir a sua intensidade.

Se você sente dores de cabeça com frequência, que atrapalham de uma determinada maneira sua vida e seu dia-a-dia, não hesite em procurar um médico. Pois é necessário verificar o tipo de cefaleia já que a dor pode ser um sintoma de algo mais grave. Não é tão simples se livrar de uma dor de cabeça…
Você já imaginou como seria viver livre das cefaleias frequentes? Saiba que isso é possível!
A Meus Miolos pode ajudá-lo(a) nesse processo por meio da hipnose, da terapia Ericksoniana e do biofeedback cardiovascular, ferramentas auxiliares altamente recomendadas, benéficas e com grande efetividade no controle da dor.
Quer uma dica?
Te convido a prestar atenção nessa dor, em que momento elas acontecem e quais os gatilhos, o que desencadeia. O que mais acontece nesses momentos em que sente essas dores, como está a sua alimentação, o seu sono. Pergunte-se o que pode ser mudado na sua rotina e defina melhor as prioridades. Faça uma retrospectiva e se pergunte se vale a pena mesmo passar por isso ou se existem outras maneiras de amenizar esses efeitos, do stress ou da autocobrança, por exemplo. Cuide da sua mente e do seu corpo e pense qual estilo de vida você deseja ter no futuro.

E você, sente dores de cabeça frequentes? Que tal comentar aqui…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Copyright © 2014-2017. Desenvolvido por Atlas Design.